Visconde do Rio Branco, 25 de abril de 2019

UFOP APRESENTA PROJETO PARA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA HISTÓRICA DE VRB

18 de janeiro de 2018

SEGUNDA CIDADE CRIADA NA ZONA DA MATA, VRB CONTÉM REGISTROS DA EVOLUÇÃO URBANA DA REGIÃO

Preservar a Memória Histórica de Visconde do Rio Branco e facilitar o acesso a arquivos para pesquisadores e população são alguns dos benefícios que um projeto apresentado à Prefeitura pela Universidade Federal de Ouro Preto quer atingir. Para isto, todo o arquivo do Fórum e da Paróquia, sendo que alguns documentos possuem mais de 200 anos e estão fragilizados pelo tempo, serão microfilmados e conservados em meio digital. A proposta foi exposta ao Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Artístico (COMPHAR) no dia 20 de dezembro, que considerou viável e encaminhou ao Executivo para realização.

Tudo começou com uma visita do conterrâneo Lincoln Rodrigues, que cursa doutorado na UFOP e tem como orientador Ângelo Carrara, que é de Ubá e Professor da Graduação da UFJF, do Doutorado da UFOP e Historiador. “Tenho grande interesse pelo resgate histórico de Minas e principalmente pela região do antigo Presídio, hoje, VRB. Além disso, a cidade conta um dos maiores pesquisadores do Brasil, que é José Geraldo Begname, que atualmente leciona Históriano Colégio Municipal Rio Branco. Ele terá um papel muito relevante em todo resgate que planejamos realizar”, contou Carrara.

Durante a visita, foi destacado que Visconde do Rio Branco é uma cidade histórica, a segunda a ser fundada na Zona da Mata, apenas sete anos depois de Rio Pomba. “O acervo da Paróquia e do Fórum tem muitos processos antigos que podem eclodir em vários fatos históricos que ainda desconhecemos. Em pesquisas, já encontrei documentos do final do século dezoito, e esta digitalização pode nos dar mais detalhes sobre a escravidão, comércio, grau de cultura e outros fatos que contribuem muito para a identidade da população”, explicou o Historiador.

A digitalização é o meio de salvar os arquivos da deterioração causada pelo tempo e também da perda. “É um projeto que demanda muita dedicação e tem despesas, mas a UFOP vai custear grande parte dos recursos com a parceria da Prefeitura. Infelizmente, já tivemos perdas como na época em que a sede do município de Rio Branco foi transferida para Ubá e toda documentação foi para a Câmara de lá. Por fim, toda a nosso acervo relativo à administração municipal foi perdido, um prejuízo incalculável em termos históricos, pois a relevância de VRB para a Zona da Mata é estrutural, visto que fomos a cidade mais importante da região no século XIX”, informou Cléber Lima, Secretário Municipal de Cultura, Turismo e Lazer, e também Presidente do COMPHAR.

 

 



18 de janeiro de 2018 - 13:48

Data da Última Modificação: 18 de janeiro de 2018 - 13:48

Comments are closed.